Blog do ligeiro

Desembargadora mantém Sydnei Pereira afastado da Prefeitura de Anajatuba

A desembargadora Anildes Cruz, que estava respondendo pelo plantão do Tribunal de Justiça do Maranhão neste último fim de semana, negou recurso interposto pela defesa de Sydnei Costa Pereira (PC do B) que tinha como objetivo retorná-lo ao cargo de prefeito da cidade de Anajatuba.

Anildes recusou um Agravo de Instrumento apresentado pelos advogados de Pereira.

Sydnei Pereira foi afastado do cargo na última sexta-feira após sentença proferida pelo juiz Bruno Chaves de Oliveira, titular da Comarca de Anajatuba.

O magistrado atendeu pedido formulado pelo Ministério Público Estadual, que apontou inúmeras ilicitudes promovidas pelo então gestor no que se refere ao processo de transição para o prefeito eleito Helder Aragão, que venceu o grupo comandado por Costa Pereira.

A vice-prefeita Lucilandia da Colônia, eleita vereadora no mês passado, assumiu o comando da cidade ainda na sexta-feira durante solenidade realizada por meio de videoconferência.

O Ministério Público apontou que, no dia 26 de novembro, obteve informações preliminares de que durante a madrugada anterior documentos públicos originais, com selos de autenticidade, relativos a procedimentos licitatórios, teriam sido retirados da sede da Prefeitura de Anajatuba e descartados em um caminhão de lixo, sendo encontrados posteriormente incinerados no lixão da cidade, conforme vídeos anexados no processo.

Ainda de acordo com o Parquet, instalou-se em Anajatuba um quadro de paralisia na prestação dos serviços públicos essenciais.

O MP afirmou ainda que Sydnei Pereira é alvo de várias investigações e ações de improbidade administrativa, mediante as quais são apuradas condutas irregulares do gestor, consistentes em licitações e contratações fraudulentas, inadimplência no pagamento de salários do funcionalismo público municipal ativo, aposentado e pensionista, contratações precárias sem qualquer processo seletivo ou critério objetivo de escolha, bem como desvio e destinação irregular de recursos públicos.

Deixe uma resposta