Blog do ligeiro

Marcial Lima reafirma, com base em dados, importância do seu projeto que prevê divulgação de receita com multas de trânsito

Em discurso firme, o vereador também abordou intimidação a comerciantes pelo crime, interrupção do Bloco da Imprensa, problemas em escola pública e crise no Governo Federal

Vereador Marcial Lima abordou temas diversos em mais um pronunciamento na tribuna

Em pronunciamento na tribuna, na sessão desta segunda–feira da Câmara Municipal, o vereador Marcial Lima (PRTB) reafirmou a importância do projeto de lei de sua autoria que prevê a divulgação do montante arrecadado com multas de trânsito no portal da transparência da Prefeitura de São Luís. Para reforçar seu discurso, Marcial citou matéria publicada pelo jornal O Estado do Maranhão, no último dia 13, que apontou, com base em dados do Detran, o aumento de 55% no número de autuações por violações á lei de trânsito na capital entre 2017 e 2018.
Para Marcial, é fundamental que a administração municipal informe ao povo de São Luís quanto arrecadou e quanto está investindo em sinalização de vias, por exemplo. “Foram quase 300 mil multas aplicadas em 2018, mas revelar o número de autuações não é o suficiente. É preciso que prefeitura informe quanto arrecada e os investimentos feitos com esse montante”, defendeu.
Marcial Lima lembrou que a imprensa costuma denunciar com frequência o péssimo estado de conservação ou mesmo a inexistência de abrigos para usuários de ônibus em algumas áreas da cidade. Ele citou ainda a ausência de faixas de pedestres e de passarelas em vias com fluxo intenso de tráfego como sinais de que o montante arrecadado com multas não está sendo bem empregado. “São Luís é a única capital do Nordeste que não tem passarela. Em grandes avenidas como Daniel de La Touche e Jarônimo de Albuquerque o trânsito chega a travar pela ausência dessas estruturas”, advertiu.
Intimidação
Outro assunto abordado por Marcial Lima no pronunciamento refere-se a uma denúncia de que cações criminosas estariam intimidando a comunidade da Vila Luizão, Sol e Mar, Divineia e Brisa do Mar, que registra nível significativo de geração de emprego e renda. Segundo informação repassada ao vereador via celular e ao programa que ele apresenta na Rádio Mirante AM, bandidos estariam exigindo dos comerciantes da região o pagamento de uma taxa a uma facção criminosa para que os mesmos possam trabalhar em seus estabelecimentos.
Marcial disse que procurou o delegado Walter Vanderley, do distrito policial do Araçagi, que prometeu tomar providências em relação à cobrança intimidatória imposta aos comerciantes.
Bloco
O vereador também aproveitou o tempo na tribuna para mencionar a interrupção do Bloco da Imprensa em sua última concentração, no último sábado (16). Ele lamentou a pane em um gerador de energia por falta de óleo diesel, que provocou o término antecipado da festa, realizada no Centro Histórico. “É preciso que o pré-Carnaval do Maranhão seja levado a sério, como é o Carnaval”, reivindicou, relembrando a frustração que tomou conta de colegas da imprensa e do público em geral com o cancelamento da programação do bloco antes das apresentações do Bicho Terra, da Banda Makina du Tempo e do Bloco Os Apaixonados, que eram aguardados com expectativa pelos foliões.
Escola
Marcial Lima também fez um retrospecto da visita que fez, semana passada, na companhia do colega vereador Cézar Bombeiro (PSD), à escola municipal Henrique de La Rocque Almeida, na Vila Embratel. O vereador relatou problemas que constatou na unidade de ensino, como o desgaste estrutural após a reforma feita em 2017, o não funcionamento dos aparelhos de ar-condicionado e a falta de professores em várias disciplinas, como inglês, geografia, história. “A escola ainda vai concluir o ano letivo de 2018 após o Carnaval, sem que os alunos do 8º ano tenham tido aulas de geografia”, denunciou.
Crise no Governo Federal
Por último, Marcial fez menção, também, à crise interna no Governo Federal, que tem como pivô o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, acusado de repassar a candidatos apontados como “laranjas” recursos do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro. Bebianno presidia a sigla na época da campanha e após os fatos virem à tona, entrou em rota de colisão com Carlos Bolsonaro, um dos filhos do presidente, que chegou a chamá-lo publicamente de mentiroso.
Marcial lembrou que interferência de filhos nas administrações dos pais não é novidade no Brasil e citou um caso recente registrado em São Luís. “Na gestão do ex-prefeito João Castelo comentava-se que a filha mandava na prefeitura”.
O vereador diz que torce pelo governo de Bolsonaro e pelo desenvolvimento do Brasil. E fez referência ao que disse o vice-presidente Hamilton Mourão, que recomendou às pessoas que queiram dar pitaco no governo que ingressem no governo. “É preciso saber medir as coisas e ter muito cuidado para não cair em descrédito, inclusive da classe política”, alertou.

Deixe uma resposta