quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Delegado Tiago Bardal é preso novamente acusado de extorquir grupos criminosos

Uma operação conjunta do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) e Superintendência Estadual de Prevenção e Combate à Corrupção (Seccor), deflagrada na manhã desta quarta-feira, 28, resultou na prisão preventiva do delegado Tiago Mattos Bardal, do investigador de polícia João Batista de Sousa Marques e dos advogados Werther Ferraz Junior e Ary Cortez Prado Junior.
Bardal já havia sido preso no primeiro semestre deste ano acusado de integrar uma quadrilha de milicianos que atuava no estado.
Além das prisões, também foram realizadas operações de busca e apreensão nas residências dos envolvidos, nos municípios de São Luís e Imperatriz, nas quais foram apreendidos documentos, celulares e computadores.
As ordens judiciais foram expedidas pela 1ª Vara Criminal da Comarca de São Luís.
De acordo com as investigações, os presos se associaram em uma organização com o objetivo de extorquir grupos criminosos, recebendo parte do apurado em assaltos a bancos e fazendo a proteção das quadrilhas, mediante o recebimento de propina. As práticas vinham acontecendo desde 2015, quando Tiago Bardal assumiu a chefia da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic).
Os policiais recebiam cerca de R$ 100 mil por assalto realizado e cobravam, ainda, para evitar a prisão de líderes das organizações criminosas.
A cobrança era feita por intermédio dos advogados presos nesta quarta-feira.
As investigações continuam e buscam averiguar a participação de outros policiais no esquema.