segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Roberto Rocha foca no Ministério das Cidades como contraponto a Flávio Dino

Senador tucano que se aproximou de Bolsonaro no segundo turno aposta na adesão do PSDB ao presidente eleito para ocupar posto de destaque em Brasília e tentar recuperar o cacife político no Maranhão


ESPAÇO DE PODER. Rocha viu na aliança com Bolsonaro uma forma de recuperar o cacife perdido com a derrota acachapante na eleição de governador
O senador Roberto Rocha (PSDB) influenciou diretamente o voto de aliados e correligionários a Jair Bolsonaro no Maranhão.
E usou um argumento de peso: o senador tucano vende a possibilidade de assumir a liderança do novo governo no Congresso Nacional ou mesmo o Ministério das Cidades.
Segundo apurou o blog de Marco Aurélio D’Eça, foi assim que ele convenceu os aliados – muitos dos quais sem relação ideológica com Bolsonaro – a votar o presidente eleito.
Como ministro, Rocha espera ganhar cacife para polarizar o poder no Maranhão com o governador Flávio Dino (PCdoB), sobretudo agora, com a saída de cena do grupo Sarney, derrotado em todos os níveis.
Até porque, o comunista se fortalece no Nordeste, com a região toda governada por representantes da esquerda e com as lideranças nacionais desse campo político também fora do debate eleitoral.
Rocha sabe que sua vaga de senador, em 2022, pode ser disputada pelo próprio Flávio Dino; e quer ter espaço de poder para viabilizar-se como opção de governador daqui quatro anos.
Caberá ao tucano suplantar na interlocução com o presidente eleito bolsonaristas de primeira hora, como Maura Jorge, Aluisio Mendes e Chico Carvalho.
Mas ele aposta exatamente no posto de senador para isso.