quinta-feira, 30 de agosto de 2018

Cleide Coutinho pode ter candidatura cassada por financiar baderna em escola pública de Caxias

Militantes pró-Cleide Coutinho ocuparam escola pública e provocaram suspensão de aulas
A candidata a deputada estadual Cleide Coutinho (PDT) afrontou a legislação eleitoral ao financiar um ato público de campanha, marcado por tumulto, na Unidade Integrada Municipal “Coelho Neto”, localizada na Vila São José, em Caxias. A baderna prejudicou as atividades nas salas de aula, conduta vedada por lei, que pode levar à cassação do registro de Cleide e torná-la inelegível.
Portando faixas e cartazes, os partidários de Cleide Coutinho defendiam a permanência de uma diretora afastada do cargo pela Secretaria Municipal de Educação de Caxias. Em um discurso inflamado, a ex-gestora, que se recusa a deixar o cargo, desafiou a prefeitura a retirará-la da função, tendo como principal incentivadora a própria Cleide Coutinho, que estava presente ao ato.
A baderna próxima à escola pode inviabilizar a candidatura de Cleide, caso o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MA) leve o caso a julgamento.
Acompanhada por vereadores aliados e por dezenas de cabos eleitorais, Cleide Coutinho deu uma clara demonstração de que ignora a lei. Por ter ocupado a escola para fazer campanha política, o que provocou a paralisação das aulas, a candidata cometeu crime eleitoral. Assista ao vídeo:
Reforça a acusação a atuação da diretora recém-demitida, conhecida muito mais por usar a escola para fins políticos do que pelo trabalho em prol do ensino de qualidade.
Invasão
Cleide Coutinho em campanha dentro da escola com a diretora recém-exonerada
Além de percorrerem as dependências da escola portando faixas e cartazes com mensagens políticas, Cleide e seus paetidários gritavam  jargões de campanha, atitude repudiada pela comunidade estudantil.
A legislação eleitoral prevê penas que vão da cassação do registro da candidatura à prisão pela prática de abusos em período vedado.