terça-feira, 26 de junho de 2018

Vereador afirma que foi impedido de entrar no Socorrão I

O vereador Beto Castro (PROS) usou da tribuna da Câmara Municipal de São Luís para fazer uma grave denúncia contra a direção do hospital Socorrão I.
Ele relatou que uma filha dele foi mordida por um cachorro. Ele procurou uma casa de saúde particular em busca da vacina antirábica, quando foi informado que o medicamento é de utilização privativa da rede pública, recebendo a orientação de que o hospital Socorrão I, era um dos locais onde poderia encontrar a vacina.
Ao chegar no hospital, a sua filha desceu com uma acompanhante, enquanto ele foi estacionar o seu veículo. Quando chegou a portaria pediu informações sobre o acesso da filha e da acompanhante, quando foi participado que haviam se dirigido ao setor de enfermagem.
Logo, o parlamentar solicitou permissão para entrar, tendo se identificado como vereador e que pretendia apenas acompanhar a filha.
Em resposta o segurança do Socorrão I virou-se para ele e disse que o hospital não era a continuação da Câmara Municipal e que ele não entraria, ocasião em que o vereador virou-se a ele disse que iria então inspecionar os maus-tratos constantes que sofrem os pacientes no local e temia até pelo tratamento que seria dado a sua filha e entrou na marra, como se diz.
Diante da indignação do vereador Beto Castro, o colega Sá Marques (PHS) se solidarizou e pediu que a direção do Legislativo Ludovicense peça informações ao diretor geral do Socorrão I e ao secretário Municipal de Saúde para um esclarecimento sobre se é orientação da diretoria da unidade ou da Semus, impedir o acesso de vereador a casa de saúde e se também é norma o tratamento com chacota com que se referiu ao Poder Legislativo Municipal.
Por outro lado, o vereador Beto Castro está disposto a requerer a mesa diretora da Câmara Municipal a criação de uma comissão de vereadores para fazer uma ampla inspeção no Socorrão I juntamente com o Conselho Estadual de Medicina e o Ministério Público da Saúde, para que seja feita uma avaliação da realidade dos atendimentos médicos prestados a população de São Luís, diante de constantes denúncias.