sexta-feira, 15 de junho de 2018

Marcial Lima comenta desemprego, infraestrutura, transporte, educação e cultura em entrevista ao Câmara em Destaque

Marcial Lima criticou falta de autonomia de secretários municipais da capital
Em entrevista concedida ao programa “Câmara em Destaque”, na manhã dessa quinta-feira (14/06), o vereador Marcial Lima (PRTB) comentou a crise econômica que assola o Brasil, com consequências lamentáveis no Maranhão. Bem ao seu estilo sincero, ele revelou que 90% das pessoas que visitam seu gabinete o procuram para pedir emprego.
O vereador coltou a fazer duras críticas à infraestrutura de São Luís, citando exemplos de ruas esburacadas, como uma das principais avenidas que interliga os bairros Maranhão Novo e Bequimão. Marcial enalteceu o empenho das comunidades para a  realização arraiais juninos dentro dos bairros e citou uma recente visita que fez ao Cohajap, onde uma multidão se aglomerou para assistir a uma apresentação do Boi de Nina Rodrigues, um dos mais representativos do estado no sotaque de orquestra.
Ao comentar os problemas da educação pública, ele atribuiu tais dificuldades à falta de gestão. Marcial teceu elogios ao atual titular da pasta em São Luís, professor Moacir Feitosa, que, em sua opinião, não tem autonomia para trabalhar. Ele citou um protesto realizado na última quarta-feira (13) por alunos de uma escola comunitária do Coaroado, que está há três meses sem aula. Mencionou ainda a escola Ronald Carvalho, no pólo Turu, que passou por uma reforma recentemente, que não contemplo a iluminação do ginásio poliesportivo. “Em um evento promovido por uma entidade empresarial, foi preciso fazer gambiarras para iluminar o espaço”, relembrou.
Marcial Lima também fez considerações sobre a atuação da Secretaria Municipal de Transportes (SMTT). Segundo o vereador, o titular da pasta, Francisco Canindé Barros, assim como o secretário municipal de Educação, não tem autonomia para exercer o cargo. “Canindé não tem a autonomia que teve em gestões passadas”, assinalou, afirmando que as intervenções de trânsito projetadas pela SMTT são executadas pela Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos (Semosp), citando como exemplo dessa inversão de papéis a construção do retorno conhecido como funil da Cohab.
Ainda de acordo com Marcial Lima, a licitação do sistema de transporte público de São Luís, realizada em 2016, piorou o serviço. “As pessoas que esperam ônibus à noite já constaram a queda da qualidade do transporte, pois a frota diminuiu”, acusou.
Assista à entrevista: