terça-feira, 29 de maio de 2018

“A saída de Temer não é boa. Ele trata apenas diesel e esquece os preços da gasolina e do gás de cozinha”, afirma Rubens Júnior

Após as fracassadas tentativas de acordo para acabar com a paralisação dos caminhoneiros, o governo Temer aposta na edição de três medidas provisórias para pôr fim à crise no país. Após nova rodada de negociações, Temer editou três MPs – que chegaram nesta segunda-feira (28) ao Congresso – atendendo alguns dos pleitos dos caminhoneiros.
Sobre a crise que o país atravessa o deputado federal Rubens Pereira Júnior (PCdoB-MA) entende que o grande problema foi o aumento abusivo dos combustíveis. “Nos últimos dois anos, a política de preços da Petrobras gerou 229 aumentos. O ponto final agora dessa crise foram cinco aumentos em cinco dias. E óbvio que o consumidor não ia aceitar isso calado, especialmente os caminhoneiros”, defende. Para ele, a categoria é a mais impactada, uma vez que o preço do combustível influencia no valor do frete e consequentemente, em toda a distribuição de absolutamente tudo no Brasil.
Outro favor que conduziu para a situação atual é desinvestimento da Petrobras, que antes, exportava petróleo. “Agora, Petrobras está importando e infelizmente deixou de investir em muitas refinarias. A refinaria Premium do Maranhão é um exemplo: Surgiu apenas como estelionato eleitoral. Não teve sequência, saiu do plano de investimento da empresa”, afirma Rubens Júnior.
O deputado reiterou a opinião que a saída de Michel Temer para contornar os problemas não é o melhor. “Primeiro ele só trata do diesel, não fala nada sobre gasolina e nem do preço do gás de cozinha. Corre o risco de ter, inclusive, aumento nos próximos dias para compensar essa baixa do preço temporário do diesel”, alerta.
Para o deputado maranhense, a simples redução do PIS/Cofins e da Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) sobre o diesel também é uma decisão errada. “Por conta da PEC do Teto dos Gastos, infelizmente esse dinheiro vai acabar saindo da saúde, ou da educação, e o Governo ainda não disse da onde é que vai sair tudo isso”, questionou Rubens.
Mais uma vez, se posicionou a favor da greve e de toda a manifestação. “É valido, mas aos que pedem intervenção militar, convido para estudarem um pouco sobre a história do nosso país. Esse período custou muito caro, inclusive vidas de muitos brasileiros, e nós não queremos voltar pra isso”, finalizou o parlamentar.