sábado, 28 de abril de 2018

Wellington diz que Flávio Dino se esquiva para não detalhar obras propagandeadas em 700 escolas



Após ter requerimento rejeitado pela Assembleia, Wellington pode recorrer à Lei de Acesso à Informação para obter dados sobre reforma e construção de escolas
Por meio dos deputados da base governista, Flávio Dino (PC do B) rejeitou o Requerimento 169/2018, de autoria do deputado Wellington do Curso (PSDB), em que o parlamentar solicitava informações com a relação nominal e endereço de todas as 700 escolas reformadas ou totalmente construídas pelo “Programa Escola Digna”, que constam na publicidade do Governo do Estado do Maranhão. Além disso, solicitou-se também que fosse especificado o tipo de reforma que foi realizada, discriminando cada ação concretizada por Unidade Escolar, bem como as cópias das licitações, cópias dos contratos e notas fiscais de todos os gastos e origem de recursos aplicados.
O pedido foi feito após o deputado Wellington receber denúncias de professores e alunos que estão indignados com a mentira do governador Flávio Dino ao dizer que reformou mais de 700 escolas, sendo que, na realidade, apenas pintou o muro da grande maioria.
“O que eu e os professores não conseguimos entender é o motivo pelo qual negam um simples pedido de informações. Se eles reformaram as escolas de verdade, por que tanto medo de uma simples lista? Estão com receio de serem desmascarados? Afinal, podem sim até ter reformado uma ou duas escolas, mas 700? E outra: nós visitamos as escolas do Maranhão e comprovamos que há várias que estão em situação deplorável. Na verdade, a única ‘reforma’ que a escola recebeu foi o muro que foi pintado. Na propaganda, reformaram 700 escolas; já na realidade, Flávio Dino tem medo de ser desmascarado e nega até informações sobre o assunto”, afirmou Wellington, que também é professor.
Diante do indeferimento do requerimento pela Base do governador Flávio Dino na Assembleia Legislativa, o deputado Wellington encaminhou também ofício à Secretaria de Educação. Caso não receba resposta, invocará a Lei de Acesso à Informação para obrigar a disponibilização dos dados referentes às escolas.