quarta-feira, 25 de abril de 2018

Centro de Endocrinologia do HU-UFMA e unidade da USP tratam sobre cooperação


Visita de pesquisador ao serviço pode resultar em parcerias na área de pesquisa e publicações científicas
O Centro de Referência em Endocrinologia do HU-UFMA recebeu na última sexta-feira, 20, passada a visita do endocrinologista Delmar Muniz Lourenço Junior. Ele é Médico Pesquisador Clínico na Unidade de Endocrinologia Genética (UEG) do Laboratório de Investigação Médica da Faculdade de Medicina da USP. Na ocasião, se reuniu com profissionais do Grupo de Pesquisa Clínica e Molecular em Endocrinologia e Metabologia – ENDOCLIM.
O motivo principal da visita é de fazer a divulgação do trabalho que vem desenvolvendo há cerca de 20 anos sobre neoplasia endócrina múltipla tipo 1. Trata-se de uma doença endócrina hereditária que tem uma predisposição ao desenvolvimento de diversos tipos de tumores endócrinos e não endócrinos nos pacientes ao longo da vida.
Segundo o pesquisador, o objetivo é ampliar o diagnóstico dessa patologia não só no Maranhão, mas no Brasil como um todo. “A possibilidade de aperfeiçoar o diagnóstico permite fazer a detecção e o tratamento precoce desses tumores”. Acrescenta que a visita pode resultar também em cooperação entre a UFMA e a USP para a gerar publicações conjuntas, em especial sobre a neoplasia endócrina múltipla tipo 1.
Delmar Muniz assistiu à uma apresentação sobre a dissertação de mestrado da médica Sabrina Pereira, que está envolvida exatamente no desenvolvimento e na busca ativa pelo diagnóstico dessa patologia no estado do Maranhão. O projeto, que começou há três anos, pode trazer relevantes contribuições à pesquisa, na opinião do visitante. “Está indo muito bem, está sendo muito bem elaborado. No futuro, pode chegar, na prática, ao que pretendemos: instituir um diagnóstico molecular no Estado para detecção precoce e tratamento das famílias que são portadoras dessa síndrome genética”, avaliou.
O professor Manoel Faria, chefe do serviço de Endocrinologia do HU-UFMA, diz acreditar que a visita do pesquisador pode render bons frutos. “Ele é um dos pioneiros na USP nessa área de pesquisa e pode trazer subsídios para nós. A parceria e cooperação com a Unidade de Endocrinologia Genética da USP é muito importante para o trabalho de diagnóstico dessa doença”, assegurou.