sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Murad lamenta morte de pacientes em tratamento de hemodiálise no MA


O secretário de Estado da Saúde, Ricardo Murad (PRP), utilizou o seu perfil em rede social para lamentar a morte de pacientes que estavam em tratamento de hemodiálise no Maranhão.
Na sexta-feira (26), o aposentado Raimundo Borges morreu no Hospital Municipal Dr. Clementino Moura, o Socorrão II, por complicações da doença. Ele morava na cidade de Pinheiro e dependia do tratamento na capital, distante 341 quilômetros. Em 2017, já havia manifestado à imprensa que estava cansado do sofrimento para conseguir atendimento adequado.
Comovido com a situação dos pacientes, Murad publicou uma mensagem às famílias das pessoas que precisam do tratamento de hemodiálise.
Ele lembrou que deixou projetos de construção das unidades de tratamento, todos prontos, e lamentou o fato de a atual gestão do Governo do Estado não ter concluído as obras.
“Passaram-se mais de três anos e o governo comunista não teve competência para resolver os problemas que alega ter para levar adiante esses centros. Se foi problema no projeto, porque nesse tempo todo não resolveu? Se foi por causa das adequações para atender a Vigilância Sanitária, porque, mesmo assistindo todos os dias as pessoas morrerem nessas longas viagens, nesses mais de três anos, não sanaram esses problemas?”, questionou.
Murad afirmou que conhece o sistema, e que tem condições de colocá-lo em funcionamento.
“Pois, eu afirmo que os sete centros vão iniciar o atendimento em agosto de 2019 e em dezembro de 2019, o HCM estará realizando os transplantes. Eu idealizei o sistema, conheço a área e sei como fazer”, completou.
Desgaste – A morte do aposentado Raimundo Borges chamou a atenção da imprensa para a continuidade do problema enfrentado por pacientes em tratamento de hemodiálise, uma vez que no ano passado, em reportagem da TV Mirante e que foi veiculada no Jornal Nacional, da TV Globo, ele e outros pacientes, haviam se manifestado sobre o tema.
Morador de Pinheiro, ele precisava enfrentar, pelo menos três vezes por semana uma rotina desgastante para se submeter ao tratamento na capital. A viagem, numa van, durava horas.
Na ocasião da reportagem da TV Mirante, o nefrologista Alex do Vale falou sobre o tema. Ele afirmou que o tratamento de hemodiálise tem por objetivo dar mais qualidade de vida para pacientes renais crônicos que aguardam transplantes de rim. Ele também explicou que após as sessões – que duram três horas em média -, os pacientes deveriam manter pelo menos algumas horas de repouso.
As obras de construção das unidades de hemodiálise no Maranhão jamais foram concluídas pela atual gestão. Apesar de mais de R$ 1 milhão terem sido liberados para a construção do centro de Saúde em Chapadinha, a obra ficou abandonada e os materiais de construção que haviam sido adquiridos estavam desgastados.
O Estado do Maranhão