quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

DEM terá novo presidente e partido deve se afastar de Flávio Dino

Todo acordo firmado e o exibicionismo do DEM em favor de Flávio Dino (PCdoB), deve ir por águas a baixo, a partir de março. Isso ocorre, pois dia 28 de fevereiro, o partido se reúne e vai escolher o seu novo presidente. Já está acordado que será ACM Neto (prefeito de Salvador).
Pré-candidato ao governo da Bahia, terá autonomia para viabilizar articulações com outros partidos em todo o país, facilitando a sua coligação no estado baiano e seu principal adversário é o atual governador Rui Costa (PT) que tem apoio do PCdoB.
Todo acordo firmado entre Flávio Dino e Juscelino Filho (DEM), foi firmado com anuência do atual presidente Agripino Maia (senador-RN), que concedeu liberdade aos diretórios estaduais e inclusive nomeou o deputado federal maranhense como presidente provisório do diretório estadual no Maranhão.
Só que com ACM Neto no comando do DEM, o deputado Juscelino Filho pode não ter ser registro de presidente renovado, uma vez que o prazo finda no dia 28 de abril, exatamente um mês após a escolha do novo comandante nacional do Democratas.
A estratégia de filiar Felipe Camarão (secretário de Educação) e segurar a filiação de Zé Reinaldo Tavares (sem partido), podem estar inteiramente ligadas com a mudança do comando nacional do DEM.
Alguns apontam que Juscelino Filho conseguiu enganar muito bem o governador Flávio Dino e o seu objetivo na máquina estadual já foi alcançado, através da indicação de pessoas ligadas ao deputado federal para realizar serviços ao Governo do Maranhão.
Com ACM Neto no comando, o DEM deve procurar alianças com partidos de centro e direita, os mais beneficiados poderiam ser Roseana Sarney (MDB) e Roberto Rocha (PSDB), mas também existe a possibilidade do partido ter uma candidatura própria ao governo. Neste cenário, Eduardo Braide (PMN) surge como possibilidade ou até mesmo o prefeito de Cedral, Jadson Gonçalves, que já se coloca como pré-candidato ao governo.