segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Perfil desmonta factoide da Econométrica e mostra confiança do pinheirense na gestão Luciano Genésio



Pesquisa divulgada pelo Instituto Perfil, neste último fim de semana, comprovou que a maioria da população pinheirense aprova a gestão do prefeito Luciano Genésio.
Segundo o levantamento, 57,9% dos entrevistados estão satisfeitos com a atual administração; enquanto que 36,2% desaprovam e outros 5,9% não souberam responder.
Por conta da crise financeira que atinge todos os municípios, com cortes pesados de recursos do Governo Federal, houve uma queda na boa avaliação do prefeito , o que é considerado natural.
Sabedora do momento, a oposição divulgou recentemente uma pesquisa na qual aponta que mais de 70% dos entrevistados desaprovam a administração do prefeito.
Vale lembrar que o levantamento foi encomendado pela TV Difusora, comandada por adversários políticos de Luciano e que foram derrotados por ele e seu grupo nas eleições de 2016.
Apesar da crise e do momento difícil que os municípios passam, entre eles Pinheiro, a pesquisa revela não só a aprovação da maioria da população, mas também a confiança dos pinheirenses na gestão do prefeito Luciano Genésio.
O que a oposição não imaginava é que uma outra pesquisa também estava em campo para avaliar, entre outros aspectos, a aprovação da gestão municipal.
Os números do Instituto Perfil desmontam os números da Econométrica, contratada pela TV Difusora de Pinheiro para atacar Genésio.
A prova de que a pesquisa da TV Difusora foi orientada para distorcer os números sobre a boa avaliação do prefeito, está justamente na boa avaliação de candidatos que tem o apoio de Luciano.
Tanto o governador Flávio Dino, como o deputado federal Waldir Maranhão, lideram as pesquisas em Pinheiro.
Waldir, por exemplo, lidera a pesquisa de intenção de votos para o Senado.
Caso o prefeito estivesse realmente com 70% de desaprovação, como disse a pesquisa da oposição, o eleitor não votaria em um candidato apoiado por ele.
O levantamento da Perfil foi realizadio em vários bairros e zona rural de Pinheiro. Foram entrevistadas 423 pessoas entre os dias 9,10 e 11 deste mês.