sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Em novo massacre, 33 presos são mortos em Roraima


Quatro dias após o massacre que vitimou 56 detentos no Compaj, em Manaus, o Brasil vê outra tragédia em presídio, envolvendo brigas de facções criminosas; Secretaria de Justiça e Cidadania de Roraima confirmou nesta sexta-feira (6) a morte de 33 presos na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, em Boa Vista; Governo do Estado afirma que houve uma briga entre facções; massacres em Manaus e Boa Vista se tornam mais um componente de crise para o governo Michel Temer; entidades, ONGs, organismos internacionais e até o papa Francisco criticam o Brasil devido à situação caótica nos presídios e cobram soluções das autoridades. 247 - Quatro dias após o massacre que vitimou 56 detentos no Complexo Penitenciária Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, o Brasil vê outra tragédia em presídio, envolvendo brigas de facções criminosas. A Sejuc (Secretaria de Justiça e Cidadania) de Roraima confirmou nesta sexta-feira a morte de 33 presos na Pamc (Penitenciária Agrícola de Monte Cristo), na zona rural de Boa Vista. O fato ocorreu por volta de 2h30.
A assessoria de imprensa do governo de Roraima afirmou que não houve uma rebelião. Os próprios detentos teriam provocado as mortes durante uma briga de facções. Ainda segundo o órgão, o tumulto envolveu presos do Comando Vermelho e do PCC (Primeiro Comando da Capital), facção mais numerosa na penitenciária.
Os massacres em Manaus e Boa Vista se tornaram mais um componente de crise para o governo de Michel Temer. O peemedebista passou dias calado sobre as mortes em Manaus e quando se manifestou acabou criando mais polêmica ao afirmar que se tratou de um acidente. Entidades, ONGs, organismos internacionais e até o papa Franciscocriticam o Brasil devido à situação caótica nos presídios e cobram soluções das autoridades.