segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Estado e Comunidade terapêuticas se reúnem para dialogar sobre serviços e parcerias.



Na última quinta feira 1 de dezembro mais um passo rumo ao fortalecimento das Comunidades Terapêuticas (CTs) do Maranhão foi dado. Reuniram-se na Superintendência de Atenção Primária em Saúde, diretores das CTs, Ágape Feminina, DJOMA, CTM e Nova Vida, representantes da Rede Maranhense de Diálogos Sobre Drogas - REMADD e o Departamento de Atenção à Saúde Mental do Estado. O convite foi emitido por Silvia Viana, superintendente, que obedece a uma determinação do secretário de Saúde Carlos Lula, quando ainda no primeiro semestre deste ano, enquanto estava como secretário adjunto, orientou o coordenador Márcio Menezes e o técnico em saúde mental Patricio Barros a reunir com os diretores após pedido do prefeito eleito em Paço do Lumiar, Domingos Dutra e do coordenador da REMADD Erisson Sousa.
O encontro visou reunir a maioria dos diretores para entregar a estes uma ficha para análise das condições técnicas, físicas, além das formas de tratamento que cada CT executa em seu ambiente. Segundo Márcio Menezes, o documento propõe ampliar os conhecimentos do Governo do Estado sobre as comunidades terapêuticas: "Após ouvirmos os diretores e diretoras na primeira reunião que ocorreu na LACEM,. firmamos nosso compromisso em buscar entendimento sobre os serviços e a articulação destas na Rede de Atenção Psicossocial. Assim chegamos até este questionário de fácil assimilação onde poderemos fazer um mapeamento destas instituições visando suas próprias melhorias" informou Márcio. Erisson Sousa, informa ainda que esta reunião é uma vitória para as entidades assim como para as políticas sobre drogas do Estado: "Nos reunimos no dia 18 de maio na Assembleia Legislativa num Fórum Metropolitano de  Políticas Sobre Drogas e de lá pra cá avançamos até este momento. Acredito que vamos também avançar no sentido de visibilizar as instruções de Prevenção do mesmo modo que estamos crescendo com as instituições de cuidado e tratamento. Só na região metropolitana temos quase 50 CTs onde algumas nem podem ser consideradas como tais pois praticam crimes como trabalho escravo, maus tratos, cárcere privado e abuso de autoridade; já outras precisam realmente de apoio e orientação do poder público e somos gratos pelo departamento que está levando a sério esta causa" considerou Erisson. O próximo encontro deste grupo está marcado para Janeiro de 2017, porém na próxima sexta feira dia 9 de dezembro a Rede se reunirá na Audiência Pública de Políticas Públicas Sobre Drogas, sokicitada pelo deputado estadual Cabo Campos que discutirá entre outras temas, o Fundo Estadual.