quinta-feira, 24 de novembro de 2016

“Precisamos investir na mobilidade urbana”, afirma Wellington ao conhecer sistema de transporte na China/Taiwan


O deputado estadual Wellington do Curso (PP), durante a Missão Internacional, promovida pela UNALE, teve a oportunidade de conhecer as inovações no transporte público da China, Taiwan e EUA. Dentre elas, há de se destacar o sistema integrado de transporte com 11 estações em Taipei, capital de Taiwan, composto por trem, metrô, trem-bala, ônibus coletivos (urbano e interestadual), táxi e, ainda, bicicletas.
 
A princípio, o que seria algo simples, pode ser visto como inovação, concretizada em um sistema de transporte eficaz e satisfatório.
 
“Conhecer de perto todas as tecnologias do transporte da China e Taiwan foi uma experiência engrandecedora para todos da delegação brasileira que participaram dessa Missão Internacional, promovida pela UNALE. Foi a oportunidade de conhecer projetos viáveis e que comprovam que é possível sim ter eficácia no transporte público, como é o caso nas cidades de Chongquing e Hong Kong na China e Taipei, em Taiwan. Para que tenhamos essa eficácia precisamos  investir na mobilidade urbana. Não apenas em uma forma, mas em meios alternativos também. Só assim, poderemos ter um transporte que satisfaça as necessidades do nosso povo, sobretudo, o mais carente. E para isso, é preciso terço tarde de fazer por parte do poder público ”, destacou o deputado Wellington, que é autor do Projeto de Lei que tramita na Assembleia Legislativa sobre o Plano de Mobilidade Urbana do Estado do Maranhão.
 
Além do sistema de metrôs e dos transportes alternativos, como bicicletas, Wellington destacou ainda o EasyCard, semelhante ao cartão de transporte da Região Metropolitana de São Luís.
 
“Encontramos algo que já existe em nosso Maranhão, mas que precisa ser aprimorado. Trata-se do cartão eletrônico de transporte, que elimina a necessidade de usar dinheiro todas as vezes que for pagar a passagem, permitindo andar pelas cancelas do sistema de transporte de forma rápida, com um simples passar do cartão. A diferença está na facilidade de recarga, já que os cartões na China podem ser recarregados com mais créditos em inúmeros locais e também podem ser usados para comprar itens em lojas e em máquinas de venda automática, além de ser utilizado no ônibus urbano, semiurbano e interestadual e integrado ao trem, metrô, VLT e trem-bala, sendo tudo extremamente útil e ágil para profissionais e estudantes na correria do dia a dia. São detalhes que fariam muita diferença na vida dos maranhenses e, certamente, ocasionariam uma maior satisfação", afirmou Wellington do Curso.