quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Edinho Lobão diz que Eduardo Braide sempre fez parte do grupo Sarney: “seria natural apoiá-lo”




Em entrevista exclusiva ao blog do John Cutrim, o empresário e suplente de senador, Lobão Filho confirma que o candidato Eduardo Braide fez de tudo para ter o PMDB ao seu lado. De acordo com Edinho, Braide o procurou para ter o partido na sua campanha. “Eu mesmo o recebi na Difusora em busca de tal apoio. (…) Estava ele buscando desesperadamente coligar com o PMDB”, afirma Lobinho.
O empresário conta que Eduardo Braide buscou o apoio de todo o grupo Sarney. “É absolutamente verdadeiro que o candidato Eduardo Braide procurou a todos nós. (…) Muito legítimo da parte dele, já que ele sempre fez parte do meu grupo político”, declara Edinho Lobão.
O filho do senador Edson Lobão diz ainda que o caminho natural do PMDB seria apoiar Eduardo Briade, caso a legenda não tivesse optado pela candidatura própria, contra a sua vontade e da ex-governadora Roseana Sarney. “Poderíamos, sim, ter apoiado Eduardo Braide, seria algo natural”, assinala Edinho Lobão.
Abaixo, a íntegra da declaração dada por Lobão Filho a este blog.
Permita-me discordar de várias análises feitas até agora em relação ao posicionamento político do candidato Eduardo Braide.
Sinceramente, paixões a parte, é preciso esclarecer alguns pontos que estão sendo distorcidos pela imprensa aliada ao candidato Edivaldo Holanda, e outros pontos que estão sendo esquecidos.
Em primeiro lugar é absolutamente verdadeiro que o candidato Eduardo Braide procurou a todos nós no início do primeiro turno, em busca de apoio. Eu mesmo o recebi na Difusora em busca de tal apoio. Acontece que isto ocorreu antes da campanha, onde o objetivo maior do Eduardo era a viabilização de condições mínimas de campanha. Estava ele buscando desesperadamente coligar com o PMDB, e com isso sair de pouco menos de dez segundos de TV para mais de um minuto. Fora a estrutura partidária do PMDB para a campanha.
Muito legítimo da parte dele, já que ele sempre fez parte do meu grupo político.
Acontece que tal apoio lhe foi negado quando o partido decidiu ter candidatura própria, inclusive contra minha vontade e de Roseana. Poderíamos, sim, ter apoiado Eduardo Braide, seria algo natural.
Iniciada a campanha ele realmente não contou com o apoio de absolutamente ninguém. Nem do governo e nem de nós. Não podemos esquecer que se ele chegou ao segundo turno, chegou exclusivamente com suas próprias pernas.
Mas aí começam os erros na estratégia de sua campanha. Só a inexperiência em campanhas majoritárias pode justificar achar que é possível ganhar uma eleição, polarizada em dois candidatos, sem o apoio de ninguém. Não é possível ganhar e muito menos governar!
Inicialmente quase todos os votos dos outros candidatos foram naturalmente para o Braide. Votos de Eliziane, votos de Wellington, votos de Fábio, votos de Rose Salles.
Mas acontece que estes candidatos não tinham votos apenas de rejeição à atual administração municipal. Também tinham aqueles que simpatizavam com suas propostas.
E aí esta o grande erro estratégico do candidato Eduardo. No momento que menosprezou e desprezou o apoio destes candidatos. Candidatos que inicialmente poderiam ter a intenção de apoiá-lo e foram rechaçados por essa estratégia equivocada e arrogante, de que alguém pode ir para a guerra sozinho. Ideia errada de que apoios necessariamente tem que ser em troca de alguma coisa. Discurso pobre e demagogo!
Este é o fato que coloca em alto risco a eleição de Eduardo Braide, que o obriga a repetir um improvável massacre no ultimo debate, em cima de um candidato que é mais simpático que ele e certamente vai muito bem preparado.
Por último, e não menos importante, eu quero esclarecer um equívoco presente em toda imprensa ligada ao atual governo, mas que salta aos olhos de qualquer cidadão que mora e trabalha no Estado do Maranhão.
Estes profissionais tentam vender a ideia de que os candidatos querem se afastar do meu grupo político. Esquecendo que o maior cabo eleitoral deste mesmo grupo é o atual governo do estado. Andei muito no interior nesta campanha e nunca vi um governo cair no ocaso tao vertiginosamente em tao pouco tempo.
Apesar de ter usado a policia de forma nunca antes vista, apesar de ter feito obras eleitoreiras nos municípios mais estratégicos, o governo comunista foi massacrado nestas eleições.
Perdeu seu guru politico em Caxias, perdeu em Dom Pedro, perdeu seu sócio em Barrerinhas, perdeu a grande amiga em Grajaú, perdeu seu grande líder na região tocantina em Porto Franco e foi destrocado em Imperatriz. Alguns exemplos simbólicos da atual situação política do atual governo. E finalmente, muita atenção aos políticos neo comunistas que tem a vã esperança nos recursos do governo. Teremos muitas surpresas em 2018.