sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Edivaldo foge do primeiro debate na TV

Púlpito vazio: ausência de Edivaldo ao debate simbolizou fraqueza, incompetência e descaso (Foto: TV Guará)
Púlpito vazio: ausência de Edivaldo ao debate simbolizou fraqueza, incompetência e descaso (Foto: TV Guará)
O prefeito de São Luís e candidato à reeleição, Edivaldo Holanda Júnior (PDT), fugiu do primeiro debate televisivo da campanha eleitoral, promovido na noite de ontem pela TV Guará. A ausência foi mais uma clara manifestação de fragilidade, covardia e omissão de um político atordoado pelo fiasco da sua gestão e sem um discurso consistente que legitime sua pretensão de renovar o mandato.
Com medo de ser atacado em seus incontáveis pontos fracos, Edivaldo não deu as caras no estúdio da TV Guará. Mediador do debate, o jornalista Américo Azevedo foi duro ao comentar o não comparecimento do pedetista, expondo todo o descontentamento com o desprestígio do prefeito, não só para com a emissora, mas, principalmente, para com o eleitor, que esperava dele coragem para confrontar-se com os demais candidatos e para rebater com firmeza as críticas dos adversários.
A imagem do púlpíto vazio, com o nome de Holandinha inscrito em uma placa, foi o símbolo do descaso que marca sua administração. Sem feitos a mostrar nos três primeiros anos do seu pífio governo, o prefeito preferiu recolher-se, por saber que seu único trabalho são as obras eleitoreiras com as quais tenta desesperadamente iludir o povo.
A justificativa para a ausência veio por meio da lembrança de uma declaração dada por Edivaldo, ainda no início da campanha, de que só compareceria a dois debates, classificados por ele como tradicionais, organizados pela TV Mirante e pela TV Difusora. A desculpa não poderia ser mais absurda, uma vez que sua pretensão de continuar no cargo por mais quatro anos o obriga, mais do que qualquer outro candidato, a usar todo o espaço possível para tentar convencer o eleitor de que merece uma segunda chance.
Mesmo com sua imagem associada à covardia, à submissão e à incompetência, Holandinha continua liderando com folga as intenções de votos dos eleitores da capital, com tendência a se reeleger no primeiro turno. Pelo menos é o que aponta o mais palaciano de todos os institutos de pesquisa.
Movido pela sede de poder e hegemonia do seu grupo político, Edivaldo segue pedindo votos cinicamente, ignorando o fracasso da sua gestão e ouvindo um cada vez mais sonoro não das ruas.