quarta-feira, 1 de junho de 2016

Uma campanha que merece destaque: “Tabagismo apague essa ideia”

No Dia Mundial sem Tabaco, celebrado nesta terça-feira (31), a Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semus), comemorou a marca de 60% de pacientes que abandonaram o fumo após passarem pelo Programa Municipal de Combate ao Tabagismo. O serviço, gratuito, é realizado em sete núcleos municipais e tem o objetivo de ajudar pessoas a deixarem de fumar.
A secretária municipal de Saúde, Helena Duailibe, diz que os resultados são animadores. “Trata-se de um índice muito satisfatório dentro do que é preconizado pelo Ministério da Saúde. É um indicador positivo, e por determinação do prefeito Edivaldo, estamos intensificando o trabalho multiprofissional para que o paciente enfrente e vença o vício”, afirma.
O serviço conta com equipes compostas por médicos, enfermeiros, farmacêuticos, psicólogos, nutricionistas, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos e assistentes sociais. São formados grupos de até 15 pessoas, que se reúnem em sete sessões (quatro semanais, duas quinzenais e uma mensal).
O coordenador do Programa de Combate ao Tabagismo, Geraldo Viana, explica que a abordagem é comportamental e cognitiva. “Além da medicação prevista pelo Ministério, conforme prescrição do médico que acompanha o grupo. São ações que incentivam também a adoção de práticas e hábitos saudáveis”, diz ressaltando que os participantes precisam ter o compromisso de ir aos encontros. Após o término das sessões, e conforme a necessidade do paciente, o programa encaminha para outros serviços e programas da rede.
Segundo dados da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) 2014, do Ministério da Saúde, São Luís é a capital com o menor índice de mulheres fumantes do país. De acordo com o levantamento, o índice de tabagismo entre as mulheres em São Luís é de 2,5%; e entre os homens, a capital maranhense é a terceira em menor frequência de tabagismo, com 9,3%.
A terapeuta ocupacional, Maurícia Adriana, responsável pelo consultório no Centro de Saúde Turu II, informou que 80% dos fumantes têm desejo de deixar de fumar, mas apenas 3% conseguem deixar o vício sem o acompanhamento médico-terapêutico. “Temos muita expectativa que eles saiam daqui curados, pois estamos agregando à força de vontade deles as ações do programa”, declarou.
Além do Centro de Saúde Turu II existem consultórios para tratamento e cessação do fumo no Centro de Apoio Psicossocial Álcool e Droga – CapsAD (Filipinho) e nos centro de saúde Amar (Vila Fialho), Liberdade, Salomão Fiquene (Cohatrac), São Raimundo (Vila Mauro Fecury) e Vila Embratel.