quinta-feira, 9 de junho de 2016

Rachel Ripani relembra série de estupros, entre eles, um em que teve que costurar a língua

(Foto: Reprodução/Instagram)
A atriz Rachel Ripani, conhecida nas telinhas por seus personagens na novela Caras & Bocas e nos seriados Malhação e Sandy & Junior, revelou em entrevista à Marie Claire que sofreu quatro estupros na sua vida, entre eles, um em que ficou tão ferida, que teve que costurar a língua.
“A quarta vez foi com 21 anos. Foi no fim da tarde, eu estava patinando no Parque da Aclimação, em São Paulo. Eu vestia calça de moletom, camiseta e usava um rabo de cavalo. Um homem trombou em mim e nós dois caímos no chão. Parei para socorrê-lo. Ele me pegou pelo pescoço, me arrastou até a uma árvore. Tinha uma faca e esperou anoitecer para me estuprar. Lutei muito. Ele me asfixiava, eu desmaiava, ele esperava eu acordar para continuar. Foram quatro horas de luta. Ele fazia tanta força na minha boca para ficar fechada que depois tive que costurar minha língua, fiquei toda machucada. Teve um momento que eu não aguentava mais lutar. Depois que ele acabou, me levou ao lago para me lavar e me ajudou a pular o muro”, conta ela, que diz ter tido bulimia por três anos devido à experiência de violência.
Atualmente com 40 anos, casada e com dois filhos, a atriz, que ainda carrega consigo os traumas dos estupros, relembrou o início de sua história com abusos sexuais. "Infelizmente eu tive vários contatos com a violência sexual, no total quatro vezes. A primeira vez eu tinha 7 anos. Com a minha família na sala, um primo de 19 anos recém-saído do Exército me pediu para ver meu quarto novo. Chegando lá, ele me empurrou sobre a cama, me segurou, baixou minha calcinha e me chupou. Eu não tinha ideia do que estava acontecendo, a sensação horrorosa de que tinha algo muito errado, ele tapando minha boca, eu imobilizada. De ponta cabeça, minha boneca preferida me encarava, e tudo que eu conhecia do mundo mudava radicalmente naqueles minutos. Minha irmã percebeu que estávamos demorando para voltar e subiu, me salvando do que poderia acontecer ainda.”