segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Mirando Márcio Jerry, Zé Reinaldo sugere mudança na articulação política do governo

Márcio Jerry assina ondem de serviço em Colinas enquanto Zé Reinaldo apenas coça o queixo
Márcio Jerry assina ondem de serviço em Colinas com Zé Reinaldo ao lado, disperso, coçando o queixo
Em entrevista publicada neste domingo no Jornal Pequeno, um dos porta-vozes do governo estadual na imprensa, o ex-governador e atual deputado federal José Reinaldo Tavares (PSB) criticou a articulação política do governo do aliado Flávio Dino. Para o parlamentar, Dino comete grave equívoco ao privilegiar o PCdoB, seu partido, na composição da sua gestão, em detrimento de outras legendas e lideranças políticas que deram importante contribuição para a sua eleição.
Ao externar sua insatisfação, Zé Reinaldo mirou o secretário de Estado de Articulação Política e Assuntos Federativos, Márcio Jerry, segundo homem mais forte do governo, que tem montado um verdadeiro exército de militantes comunistas com cago público no interior, com a clara intenção de fortalecer ainda mais o PCdoB nas eleições municipais deste ano.
Zé Reinaldo é uma das poucas vozes com influência no governo a se levantar contra a onipresença de Márcio Jerry. E seu discurso ecoa como um grito de alerta, tanto para o governador quanto para os demais aliados, muitos dos quais desprestigiados diante da voracidade do super secretário em ocupar espaços em todos os níveis da administração estadual.
Em uma das últimas entrevistas que concedeu ano passado, Flávio Dino afirmou que só ele e o vice, Carlos Brandão (PSDB), estão garantidos no governo até 2018, quando terminará o mandado. Isso porque apenas os dois foram eleitos pelo voto do povo.
O recado não ficou tão claro, já que Dino não deu qualquer pista sobre os nomes que poderão perder seus cargos em uma cada vez mais provável reforma administrativa.
Do alto de sua experiência, Zé Reinaldo pode ter aproveitado a deixa para ajudar o afilhado político a se definir.