segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Em carta aberta ao STF, Zé Carlos e aliados pedem saída de Eduardo Cunha

zé carlos- carta aberta
O deputado federal Zé Carlos e mais 49 parlamentares de oito partidos (PT, PSOL, PC do B, Rede, PSB, PR, PROS e PPS) da Câmara protocolaram no Supremo Tribunal Federal (STF) uma carta, pedindo que o Tribunal afaste cautelarmente o deputado Eduardo Cunha da Presidência da Câmara.
O documento contrários ao parlamentar fluminenses, argumenta que a presidência da Casa “tem sido exercida para benefício privado e para autoproteção em investigações e usufrutos inconstitucionais”.
Para embasar a acusação, os parlamentares enumeram seis episódios em que Cunha teria “manobrado” em benefício próprio. Entre as situações relatadas pelo grupo, está o acolhimento do pedido de impeachment da presidente Dilma.
— De manobra em manobra e com o auxílio de seus aliados, Eduardo Cunha, denunciado no STF por corrupção, vai se mantendo como Presidente da Câmara, em clara afronta aos cidadãos e às cidadãs de bem do nosso país. Pior do que isso, é um dos principais patrocinadores golpe contra a Presidente da República e a democracia brasileira — diz Zé Carlos.
O processo de afastamento da chefe do Executivo, na visão dos signatários da carta, foi utilizado como forma de “chantagem” para que o PT votasse em seu favor do deputado do PMDB no Conselho de Ética da Câmara.
Os deputados que assinam a carta entregue STF também criticam a eleição dos integrantes da comissão especial que avaliará o processo de impeachment da presidente.
Eles alegam que Cunha “afrontou o princípio da legalidade” ao permitir a inscrição de uma chapa avulsa, composta por oposicionistas do Palácio do Planalto, e ao determinar votação secreta para eleição da comissão. A chapa da oposição foi eleita, mas o ministro Luiz Edson Fachin, do Supremo, suspendeu a instalação do colegiado especial.