terça-feira, 27 de outubro de 2015

Ligações com deputado Sousa Neto seriam uma das causas da perseguição a militares

Deputado Sousa Neto
Deputado Sousa Neto
O deputado Sousa Neto ocupou hoje a tribuna da Assembleia Legislativa para se mostrar surpreso com a atitude do Comando Geral da PM que transferiu sem explicações os militares Leite (de Timon para Presidente Dutra), Diego  (de Bacabal para Marajá do Sena) e R Barros que sairá de Imperatriz.
Neto disse que coincidentemente ele falou com os dois militares na semana passada e que em seguida foi determinada a transferência de cada um. Os dois são líderes de movimentos grevistas e trataram com o parlamentar a insatisfação nas suas bases e que nova greve pode eclodir na PM.
Sousa Neto lembrou que o telefone dele e de outros deputados, como Edilázio Júnior e Andréa Murad, estão grampeados. “Falei com o coronel Sá e no dia seguinte ele foi exonerado do posto de sub-comandante geral”, lembrou o parlamentar.
Na semana passada o deputado Edilázio Júnior disse que ouvi de um amigo que tem irmão delegado que ele estava grampeado e que era pra ter cautela nas conversas sobre o governo.
O estado policial implantado pelo governo da mudança não causa nenhuma surpresa para quem vive debaixo do regime comunista. Mas os grampos, ao que parece, são ilegais.